Páginas

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Como lobo branco ver partes do mundo no estado atual

O mundo ao ser redor pode começar desmorana em apenas segundos diante de seus olhos, mais se leva mais tempo reconstruindo do que destruindo. É interessante como isso pode acontecer de uma forma extra ordinaria ou simplesmente pode acontecer de forma banal, tentamos tanto demonstra nossos valores que acabamos fazendo coisas que jamais deveriamos, nos metemos em ilusões da nossa propria mente pertubada, que nos enganar e menti para nós mesmo na esperança de nos enganamos de verdade, mas quando o tornado se afasta acabamos caindo e chorando e lamentando pelos nossos erros. Pobres almas perdidas nas ilusões criadas por se mesmas.
Como o mundo é frio e cruel nos arraca as esperanças de forma tao devastora que nos dar medo de entrar novamente nele, e tentamos nos ensolar com todas as forças porém nunca iremos consigui, por que precisamos permanecer nele.
Deveriamos aprender a olha mais adiante, porem tem horas que nao consiguimos ver pelo simples fato de tudo esta numa neblina densa e fria, que congela nossos ossos de forma cruel e esmagadora.
Sonhos são destruidos sem piedade e misericordia, e aqui estou eu tentando filosofa de forma totalmente sem sentido. Mas quem disse para filosofa precisa ter sentido todas as vezes, a verdade é que tudo sempre terminar numa pergunta que leva a outra pergunta e assim por diante.
Somos seres complexos, nao consiguimos terminar tudo com uma resposta e sim com perguntas.
Agora eu pergunto, quem realmente nós pensamos ser? a resposta dessa pergunta para mim é: nao somos pensamos ser e nao consiguimos muitas vezes nem se torna quem queriamos ser um dia, por que possuimos medo de como o mundo era nos ver ou ira nos tratar.
É triste mais infelizmente é a verdade, so nao queremos aceita-la.
E o lobo volta a caminha a estrada desconhecida da vida com suas observações e seu textos loucos porém verdadeiros.
Autor: LOBO BRANCO

2 comentários:

Bmfm disse...

hUUm..
e a pergunta que ficou: "kem sou eu?, quem eu quero ser?, quem eu deveria ser?"
e por incrivel que pareca, fica dificil ate para nos mesmos nos definirmos, quem dira para as outras pessoas que vivem a se meter nas vidas alheias querendo julga-las. Qual o poder tem elas para isso? e quao conhecedoras de si mesmas sao essas pessoas, para quererem julgar vidas alheias ..

Raiane Freire disse...

Gostei deste texto! Traz a verdedeira ideia do ser humano em conflito com a pluralidade de mudanças do mundo em que vive, fazendo com que sinta-se incerto quanto as suas emoções. Ao mesmo tempo vejo o homem indignado com a crueldade e avareza de alguns e se perguntando o por que de tantas desigualdades, se o universo é de todos. Na verdade, o ser humano muda conforme a evolução dos tempos, porém cada um tem a sua individualidade; a sua personalidade, por isso alguns são bons, outros ruins; para alguns as mudanças são bençãos, outras são maldições. De uma forma natural vamos nos adequando as transformações, deixando para traz "o velho ser" e trazendo "o novo" e isso consequantemente vai nos fazer esquecer de quem realmente somos.