Páginas

segunda-feira, 16 de junho de 2014

vanessa

ASCENDENTE EM LEÃO
Altamente orgulhosa e algumas vezes até grosseira, você gosta de impressionar e ser observada pelos outros como uma pessoa especial. É hiper-extrovertida, agressiva, pouco afetuosa e raramente se satisfaz, principalmente quando ocupa uma posição subordinada, porque é uma líder nata e não gosta de ser mandada sob hipótese alguma. Você precisa ter algo de "seu" - que seja só seu - um negócio, um projeto, uma casa ou qualquer outra coisa, que possa ser desenvolvida conforme sua vontade, visão e

terça-feira, 3 de junho de 2014

Conto

Como todo historia que se inicia por uma situação inesperada a minha não poderia ser diferente. Observo que alguns viraram os seus rostos para escutar o que tenho a dizer, porém outros ainda estão em conversas paralelas. Acredito que seja o mal de todo ouvinte, e de todos interlocutor, pois nunca sabemos se iremos consegui atingi atenção deles.
Compreendo que comecei enrolando, porém algumas vezes se torna necessário enrolar um pouco para prestar atenção na plateia e notar pequenos detalhes que cada esta transmitindo. Observar cada gesto, tom de voz e assuntos que estão sendo passado por cada um de vocês. Sem mais demoras irei apresentar uma pequena historia que escutei há muito tempo atrás.
Há muito tempo atrás numa floresta residida na região de Galirios surgiu uma historia sobre um pequeno hibrido sobre a forma de lobo e humano. Alguns deram o nome desse ser de Lobisomem que vem do termo antigo Licantropia.
Observo que alguns incrédulos sobre o meu conto irão me difamar quando saírem daqui. Por que nunca ouviram falar sobre tal “comentário sobre esse caso”. Para alguns que estão com esse pensamento posso assegurar que houve grandes comentários sobre isso, porém foram abafados e outros foram negados pelo governo.

A grande pergunta que surgiu na mente dos nossos companheiros como podemos acreditar no que esse homem esta para conta se o mesmo só ira nos narra uma historia? A resposta para essa sua pergunta será descrita no decorrer do meu conto. Agora e te faço uma pergunta: Vocês irão escutar ate o final?

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Capitulo 1




Capitulo 1
Abro os meus olhos mais minha visão esta embaçada, todavia percebo que os meus braços estão ensanguentados, e para piorar vejo uma forma distorcida de uma asa branca no meu lado direito e uma preta no lado esquerdo.
Começo a sentir um aroma de sangue no ar e tento me erguer, mas minhas pernas estão tremulas. Olho atentamente para frente e vejo o que aparenta ser um corpo no chão e parece está morto algum tempo, porem não consigo enxergar com precisão, pois minha vista ainda esta embaçada. Fecho os olhos e ao mesmo tempo torcendo que eles retornem ao normal, enquanto torcia para que retornassem ao estado que pudesse enxergar nitidamente o meu olfato sentia cada vez mais forte o cheiro de sangue que emanava no local que estava.
Comecei a sentir algo além de sangue no ar, o que me fez ter certeza que o ser que tinha visto antes estava morto e entrando em processo decomposição. Quando abri os olhos novamente pude enxergar normalmente, mas teria sido melhor não ter visto. O corpo tinha uma marca como de uma lamina que passava da base da cintura no lado direito alcançando ate parte superior do ombro esquerdo pôde notar que ele estava vestindo um jaleco branco que me fez questionar se ele era um doutor, porém nesse momento não daria para saber.
 Já havia passado as tremedeiras das minhas pernas, e quando me ergui vi mais corpos na sala, e todos aparentavam ter sofrido ferimentos com a mesma arma. Observei todo o local ele tinha aparência daqueles laboratórios de filmes ficção cientifica ou animes que tem desenvolvimentos de seres híbridos e experiências antiéticas.
Com toda essa atmosfera notei que no meio dessa sala havia o famoso cilindro no centro e que ele estava quebrado ainda deu para perceber que dentro dele possuía um líquido meio gosmento, e me perguntei para o que aquilo deveria servir. Porém ao mesmo tempo o medo me consumiu, pois o que estive ali dentro já não estava mais o que era só uma questão de tempo para ele perceber que eu estava ali e vim atrás de mim.
Nesse mesmo processo vi um computador que cogitei que era para processar os dados do ser que se encontrava dentro do cilindro, porém para o meu azar o mesmo estava completamente destruído o que me fez acreditar que num processo de fúria o mesmo tenha destruído ao sai do cilindro.
Ao olhar ao meu redor para analisa o local acabei me esquecendo das possíveis asas que havia visto quando acordei, porém de repente sinto o meu corpo sendo puxado por algo e consequência uma grande dor surgi das minhas costas e aquelas possíveis asas que tinha visto agora estava adentro dentro do meu corpo e dor foi enorme que fez cai inconsciente.
 Quando abro os meus olhos estou no terreno que aparenta ser um cemitério, a minha frente vejo um ser que esta em cima de uma sepultara e duas asas saem por detrás das suas costas noto que ele esta segurando uma foice com uma das mãos atrás dele uma lua ilumina todo o local, porém a sua cor é um avermelhado.
O ser abre os seus olhos e sua íris é de um alaranjado, e as pupilas um vermelho sangue. Ele ergue as suas e bate um vento na minha direção que me faz bater em algo e eu apago do meu sonho. Novamente desperto e vejo que continuo naquele laboratório para piorar minha cara caiu em cima de uma poça de sangue.
Quando olho para o meu corpo percebo que não estou vestindo nenhum tipo de roupa e só estou com um tipo de cueca. Ate aquele exato momento só tinha me antenado ao tudo que envolvia aquele local na qual despertei e tinha esquecido de olhar para mim mesmo.
 Passo um olhar clinico em toda a sala para ver se tem algo que eu possa vesti, a primeira vista... Agradável, então vi as roupas dos corpos que estavam em decomposição e vesti-las não era uma opção muito agradável então decidi anda por toda a sala e tenta achar algum armário escondido. Na qual não tive sucesso e desisti, a única opção que restou foi ver se algum traje daqueles que estavam em decomposição poderia ser útil e que não esta fedendo ao ponto de preferir andar só de cueca.
Notei que todos eles estavam mortos pelo menos uns três dias atrás. E que nenhuma das roupas deles serviu para mim, além do cheiro esta insuportável.
Quando estava procurando por alguma roupa que poderia utilizar notei que tinha a porta que dava para aquela sala estava aberta, porém no lado de fora estava completamente escuro.
Depois de esgota todas as possibilidades que aquela sala poderia me oferecer, percebi que teria que sai dela mesmo se não quisesse. Dei os meus primeiros passos para escuridão que me esperava além daquele cubículo que despertei.
A primeira vista não possuía nada que pudesse me assusta, comparado à primeira coisa que vi quando acordei. Porém a felicidade daqueles que estão em situações difíceis dura pouco, pois no lado de fora daquela sala possuía mais corpos estirados no chão e o mal cheiro que subiam deles estava começando a me incomoda mais do que eu queria admitir.
Meus olhos começaram a se adaptar um pouco com aquela escuridão, e pude enxerga pelo menos um pequeno trecho que estava a minha frente.
Alguns minutos caminhando chego num trecho onde escombros bloqueiam a saída e me deixando preso nesse lugar obscuro.
Sinto uma grande dor possuindo o meu corpo pela segunda vez e não consigo resistir aquele tormento fluindo. E acabo apagando novamente.
Estou completamente no chão, porém sinto uma leve grama debaixo do meu corpo. Tento erguer o meu corpo, porém o sinto pesado demais para consegui me levanta de uma vez só. Minha audição escuta um som de agua escorrendo, levanto um pouco a cabeça e vejo que estou perto de uma cachoeira. E percebo que estou em um típico cenário onde existem rochedos e uma grande cachoeira que pessoas pulam do alto dela por pura diversão.
Perto da área mais tranquila da cachoeira esta algo parecido com um anjo, tinha cabelos longo, loiros e vestia uma vestimenta branca e ao lado dele tinha um tigre entre outros tipos de animais.
Anjo: Finalmente nos encontramos mortal.
???: Quem é você?
Anjo: Quem eu sou? Hum... É uma pergunta difícil de responder e muito cedo para você saber também meu caro. O que importa é que você agora está solto e poderá ver o dia, porém como toda liberdade existe um preço a se pagar.
???: De que preço estava falando? E como assim finalmente eu estou soltou?
Anjo: O que posso dizer é que você já percebeu que não esta mais no seu mundo de origem. Um sábio conselho tome cuidado por onde você caminha.
???: O que você esta escondendo de mim? E quem é você? E o que era outro ser que vi na primeira vez que apaguei? Quem realmente são vocês?
Anjo: Entendo... Você já o viu então. Como uma moeda que existe dois lado é o mesmo para você humano. Creio que saiba que tudo existe o bem e o mal. Não preciso entrar em mais detalhes sobre isso. Nosso encontro já durou tempo demais. Tenha ótimos sonhos e nós veremos novamente em prevê.
Acordo no corredor que estavam os escombros que impediam a saída, mas para minha surpresa eles tinham desaparecido. O que me fez questionar sobre o que realmente tinha acontecido, e o que ele quis dizer sobre a liberdade.
Tomo o caminho que se abriu a minha frente, a procura de uma saída. Enquanto continuo por esse caminho que não sabia aonde daria. Vejo uma placa com uma marcação escrita E7.



A minha mente começou a formula varias possibilidades para o que estava escrita naquela placa, porém não tinha tempo a perde. Necessitava me concentra em achar uma saída desse local, pois a qualquer momento poderia ser surpreendido com a criatura ou o que fosse que estava preso naquele cilindro, e tinha uma pequena ideia que não seria nada bom.
Um pequeno flash me veio à mente. Lembrei-me do momento que acordei pela primeira vez, e que estava na floresta enquanto fugia de um uivo e acabei sendo ferido no peito esquerdo na qual apaguei devido à perda de sangue. Uma pergunta surgiu: Como vim parar nessa sala que aparentava ser um laboratório de experimentos ilegais?
A única opção que continuava a resta era seguir em frente independente do que tivesse acontecido naquela sala e como eu teria aparecido em tal local. A cada passo que dava surgia dentro da minha alma um ar de desespero e de esperança ao mesmo tempo indicando que eu encontraria a saída daquele local sombrio.
Depois de andar 15 minutos cheguei numa bifurcação e novamente estava no velho dilema qual dos dois lados deveria escolher? Não possuía mapa, e muito menos noção geométrica do local. Percebi que não poderia utilizar a sorte da cara ou coroa, pois não possuía uma moeda. Qualquer lado que viesse a escolher poderia me levar para o lado de fora ou adentra na escuridão.
Acabei optando pelo caminho da direita a qual me levou para local que me fez lembrar uma velha fabrica que servia para forjar metais pesados. Agora que tipo de metal eles forjavam aqui não dava para saber, pois parecia está abandonado a mais de três décadas.
Comecei a realmente querer saber o porquê de um laboratório de experiências desse tipo estaria escondido numa fabrica como essa. Apesar dessa curiosidade aparecer na minha mente não podia ficar parado esperando que um milagre acontece. O tempo que tinha perdido nos meus pensamentos não voltaria e cada segundo que se passa é menos um passo para liberdade daquele lugar.
Continuei a minha jornada no caminho que tinha disponível acima dos cilindros que servia para aquecer a matéria prima. A cada passo percebi o quanto era enorme o compartimento que estava.
Finalmente depois de andar boa parte pelo compartimento cheguei à sala de operações e para minha sorte ela estava aberta, porém enferrujada devido ao longo tempo sem manutenção. Todos os equipamentos estavam acabados devido ao período que ficaram sem ser utilizados.

Observei em toda a sala e percebi que não possuía nada que você útil para minha atual situação. Notei também que não tinha nenhum armário e nenhuma roupa que pudesse pegar para colocar sobre o meu corpo seminu.
Abri a próxima porta que me levaria para o lado de fora daquele compartimento incoerente ao cenário que me encontrava. E para a grande surpresa que nem eu mesmo esperava. Um novo caminho se abriu diante dos meus olhos e minhas esperanças se renovaram a cada raio de luz que comecei a senti no meu corpo.
Atrás da porta da fortuna tinha um corredor longo que no final dele possuía um portão que estava semiaberto pelo que pude ver. Ao chegar próximo dele pude ler acima dele uma nova placa escrita área 31. E quando dei mais um passo adiante um alarme tocou como se eu estivesse passado por um senso invisível e além do portão se abriu uma comporta e dentro dela estava começando a surgia uma figura que infelizmente não pude visualizar por completo.
Quando fecho os meus olhos por uma fração de milésimos escuto algo batendo no espaço semiaberto do portão e vejo um logo braço passando dentre o espaço aberto e uma mão com garras de um canino tentando me alcançar a qualquer custo.
Finalmente pude ver um dos seus olhos e pedaços do seu corpo. Não gostei do que vi, pois ele era revestido de metal que pareci ser de prata, e sua forma era de um hibrido de lobo com humano. Para alguns conhecidos como lobisomem. Mais um problema surgiu diante dos meus olhos, o que eu poderia fazer para escapar dessa criatura que estava querendo o meu sangue?
As opções estavam completamente escassas e cada segundo se tornavam as minhas escolhas se tornavam difíceis diante dos problemas que surgiam diante dos meus olhos.
Quando fecho meus olhos um grande estrondo ecoa pelo corredor e ao abri-lo vejo que o ser prateado conseguiu abrir o portão e que estava aprontando vi em minha direção.
Com os portões que representava a minha liberdade lá estava àquela criatura de desenhos e filmes científicos na minha frente. Sua estrutura corpulenta e com olhos avermelhados, sem aquele portão não perceber que ele não era um ser vivo e sim uma replica robótica quase perfeita.
Todos esses pensamentos surgiram em poucas frações de segundos, e quando me deparei dentro da situação que me arrodeava era tarde demais, pois o mesmo já estava com sua garra quase acertando o meu pescoço. Minhas esperanças já tinham desaparecido com aquela situação.
Para a minha sorte ou pelo menos quis acredita que fosse isso, surgiu uma foice entre o meu pescoço e sua garra, na qual foi repelida quando se encontrou com o metal da foice. Ao ser repelido olho para minha mão direita e percebo que nela surgiu a foice na qual estou segurando e uma luva de couro preto.
Antes que pudesse processar ou tentar compreender o que estava acontecendo com todo o meu corpo e como tinha surgido aquela foice do nada. Ele veio em minha direção e por um toque de instinto minha mão se mexeu num sentido o dividiu o em dois pedaços. Com isso o seu sistema se danificou de tal forma que o fez explodir e a energia que ele emitiu ao explodir me atingiu fazendo com que eu ficasse inconsciente.
??: Vocês tentam escapar da escuridão que habita dentro dos seus corações. O que me faz ficar fascinado por tamanha crueldade que vocês são capazes de fazer. Se entregue a mim e eu lhe darei o maior poder de todos e com ele irei retirar todo o sentimento de culpa.
Jovem: Quem é você?
???: Quem sou? Sou aquele que ira te visita em tempos em tempos, e se você for um ser de mente fraca irá cai no desespero e se jogar no mais profundo abismo. Em outras palavras aquilo que vocês mais temem.
Jovem: Não compreendi. A única coisa que todos nós tememos é a morte.
A figura me joga na escuridão, e quando abro os olhos novamente estou caído no chão com a minha mão queimando e a luva que estava nela desapareceu.
Já estava perdendo contas de quantas vezes tinha ficado inconsciente desde o momento que tinha acordado pela primeira vez. Olhei ao meu redor e só vi pedaços daquilo que tinha sobrado do robô. Começo ir em direção a saída, acreditando que finalmente tinha conquistado a minha liberdade. Porém quando saio sou surpreendido por algo que não tinha vindo a minha mente.(Fim da modificação)
Estou preso na floresta que tinha acordado pela primeira vez, e vejo os mesmo troncos, porém dessas vez as folhas estavam com uma cor mais viva. Começo a caminhar procurando encontrar um caminho que me leve a civilização, estou completamente perdido pois não sei que direção ira me levar a civilização.
Veio o grande questionamento quem era aquele ser e o que ele quis dizer que me daria o maior poder de todos? Creio que estou em grande enrascada agora não tenho tempo para perder com esses pequenos significados e processar o que realmente esta acontecendo aqui irei continuar reto por onde sai do túnel, quem sabe eu não achei uma estrada que me levara alguma cidade?
Depois de duas horas de caminhada encontro uma estrada de terra, e penso estou a meio caminho de algum lugar. Continuo a percorrer essa bela estrada arrodeado por essas arvores diferente, porém com sua beleza que aparenta me encanta agora.
Passo mais uma hora nela, todavia a vida não é um mar de belas flores. Sou surpreendido por um grito que vem do leste da onde me encontro. Corro em direção para ver o que esta acontecendo, quando chego sou surpreendido por uma mulher caída no chão e uma criatura parecida como um minotauro indo em direção dela. Dou um grito para ela fugir, porém aparentar está desacordadaa criatura se vira para minha direção e penso que deveria ter repensado melhor, pois agora o alvo sou eu. Quando ele chega aproximadamente a um metro de distancia e descendo um murro na minha cabeça então coloco as minhas mãos para cima e no meio delas surgi uma lança que impedi que ele me atinja. Ele dar um passo para trás e tentar dar outra revestida, todavia num gesto de instinto enfio a lança direto no coração dele. A ponta da lança causa um choque de energia brilhosa no tom amarelado misturado com branco que o faz cai de joelho e morrendo no mesmo instante.
Vou em direção da mulher e percebo que um galho acabou perfurando o pulmão dela. Sua respiração estava fraca e ainda estava tendo cuspido sangue pela boca. Olho para minha mão direta e vejo uma luva branca nela e me pergunto o que significa isso.
Ao tocar o seu corpo com a minha direita um fluxo de energia sai dela causando uma cura quase que imediato, todavia com essa saída rápida do meu corpo faz com que eu apague.
???: Usar a lança para tirar uma vida não é certo mortal. A menos que tenha uma grande justificativa para isso. E tocar um corpo moribundo com sua mão direita ira causar uma cura, porém saiba que só poderás salvar uma vez essa vida já que seu corpo não tem força o suficiente para aguentar o fluxo desse poder novamente.Antes que pergunte quem sou a resposta é que sou um dos guerreiros dele, todavia não fomos criados para se sentir superior a nenhum ser.
Jovem: Guerreiro dele? E quem o outro ser também que apareceu para mim envolto pela escuridão e porque aqui é tão claro.
???: O outro pertence ao lado das trevas, e eu pertenço a lado da luz.
Jovem: O que realmente vocês querem comigo?


???: Com o tempo você saberá. Irei te deixar umas palavras importantes para você refletir o ciclo do bem e do mal são complexas meu pequeno mortal. Por que nem todas as coisas boas são livres do male nem todas as coisas do mal são livres do bem. Estamos unidose nessa união não existe um ser mais forte ou mais fraco, porem saiba que você ira ter que escolher um caminho para seguir, por que senão você sempre estará na corda bamba mortal. Agora retorne, pois a dama acordou e não se esqueça que não poderás salva-la novamente.
Com um estalar de dedo acordei, e para minha surpresa a moça tinha me colocado sobre as suas coxas, pois sentir o calor delas na minha cabeça. Abro os meus olhos e a vejo olhando para mim, porem percebo que onde galho havia passado esta totalmente curado, mais o furo que ficou na roupa acima do peito foi grande.
Garota: Obrigado por ter vindo me salvar.
Jovem: Não há de que, mais para ser franco não sei como fiz isso.
Garota: (Sorrindo) Vejo que dentro de você habita um a grande um poder de luz, porem as trevas o acompanha ao lado dela. Talvez o poder dele tenha me salvo. Estou vendo que você ainda é novo.
Jovem: Claro que sou novo! Só tenho 17 anos.
Garota: Haha. Não quis dizer na questão de idade meu caro (riso) queria dizer na questão de liberar suas habilidades latentes.
Jovem: Habilidades latentes? Lamento mais eu não possuo, já que sou um mero humano.
Garota: Humano? Não existe essa raça humano aqui. E se existe então vocês são novos.
Jovem: Como assim? Qual é o nome da sua raça?
Garota: O nome da nossa raça é Siberio.
Jovem: Siberio? Nunca ouvi tal nome.
Garota: Isso é muito estranho. Se você nunca ouviu falar na nossa raça, então você deve ter sido uma ...
Jovem: Uma o que ?
Garota: Deixa para lá isso não relevante. O que importa agora é que você tem alguém que vai cuidar de sua vida.
Jovem: Já esta se habilitando a cuidar de mim? Mal nos conhecemos.
Garota: Sim e não tem problema, pense nisso como uma recompensa por ter salvado a minha vida.
Olhando atentamente ela possui uma beleza que me encantou de primeira, aqueles olhos levado para uma cor de mel, seus belos cabelos compridos no tom de levado para ruivo. Sua altura de 1,65 cm e com seu corpo na medida dos sonhos de todo homem. Suas coxas cheias mais não exageradamente grandes, seus braços com pequenos traços que carregam uma força acima da media da maioria das mulheres, mais sua pele aparentar ser tão macia que com certeza sentiria um grande prazer em sentir ela encostada na minha pele o dia inteiro e não me cansaria.

Retornamos para estrada de bairro e seguimos aproximadamente uns 10 minutos quando ela fez o sinal para saímos dela. Agora tomamos a direção oeste e depois de uns cinco minutos passando pela floresta chegamos numa área rochosa que forma com um muro de pedras para minha surpresa só tinha uma entrada com sua forma de arco. Ao entrar notei que dentro era como uma muralha e um ótimo lugar para se proteger, pois só tinha uma entrada já que todo o resto tinha pelo menos 8 metros de altura.
Continuamos a entrar cada vez mais profundamente foi quando vi uma pequena cabana de madeira bem longe da onde estávamos e um pequeno riacho passando próximo da cabana. Então compreendi que era ali que ela morava, em todo o caminho não tínhamos trocado nenhuma palavra.
Quando estávamos a 15 metros da cabana senti como se o meu coração tivesse sido atingido por um tipo de energia que estava tentando repelir minha presença dali.
Garota: Você sentiu?
Jovem: Sentir o que?
Garota: Como se algo não aceita-se a sua presença aqui.
Jovem: Sim, sentir. O que isso?
Garota: Isso é uma barreira que criei para me proteger de pessoas indesejáveis. E o elemento da qual vem essa barreira não foi avisado da sua visita o esta repelindo. Porém logo ira passar esse sentimento de repulsão.
Fui notando com o tempo que aquele sentimento estava passando. Ao chegar à porta da cabana ela deu o sinal para ficar ao seu lado.
Garota: Aqui será a sua nova casa ate que você aprenda sobre as suas habilidades. E caso um dia você queira parti não irei te impedir, mais saiba que aquela não é a única criatura que existe aqui. Então pense bem antes de querer parti.
Jovem: Como irei aprender sobre essas habilidades, se nem eu sei o que elas são e como surgiram dentro de mim.
Garota: Entendo que você tem varias perguntas, porém essas perguntas só poderão ser respondidas com tempo. E como havia falado você ainda é muito jovem. Por esse motivo você não sente a energia fluindo dentro de você.
Por mais que eu gostasse de falar para ela que tinha acabado de acorda em canto que nunca tinha vista na minha vida e ainda arrodeado por gente morta ela com certeza iria ficar com medo. Porém estou curioso para saber o que ela quer dizer que eu ainda sou jovem demais, o que esta ligado essa juventude?
Entramos na cabana ela tem uma forma bastante arrumada para algo que esta no meio da floresta e perto de um rio. No primeiro cômodo uma sala de pelo menos uns 3 metros no meio tinha uma pequena mesa de madeira e uma cadeira, no lado esquerdo tinha uma entrada que aparentava ser do quarto. Em frente tinha uma entrada que levava para cozinha da casa.

Ela levou ao quarto e dentro dele tinha uma cama feito com folhas que dava uma estrutura firme, uma pequena cômoda. Depois me mostrou a cozinha com uma lareira pequena mais em cima como uma fogão artesanal. Uma pequena pia com tipo de madeira que formava um cano para agua escorrer para o lado de fora.
Garota: Te mostrei todos os cômodos da casa, mais percebi que esqueci de pergunta o seu nome? Como se chama meu jovem?
Jovem: Verdade (sorrindo) me chamoÉrebo Éter. E o seu minha bela dama?
Garota: Erebo Éter prazer em te conhecer, você pode me chamar Alessia.
Érebo: Prazer é meu Alessia.
Alessia: Bom acredito que você esteja cansado da caminhada aconselho a você tirar um pequeno cochilo.
Érebo: Estou um pouco, mais só tem uma cama. E você onde ira dormir? Também deve está cansada.
Alessia: Não precisa se preocupar comigo pode dormir, pois preciso tomar um banho e fazer algo para você comer quando acordar. Depois disso veremos como faremos. Esta bem?
Érebo: Mais...
Alessia: Nada de mais e nem menos. Vai dormir.
Logo fui para cama . E por incrível que pareça acabei caindo no sono mais rápido do que poderia prever. Começo a sonhar e estou na frente da cabana e duas figuras distintas esta na frente dela. O do lado esquerdo possui asas negras, cabelo negro e longo estava todo vestido com uma roupa de coro preta e suas luvas eram negras carregava uma foice e no topo dela tinha uma caveira e ainda possuía uma boca de onde dela sai a lamina.
O segundo estava no lado direito possuía asas brancas, com cabelo longo e loiro, suas vestimentas eram de uma roupa branca e material que leve, porém bonito e suas luvas eram de um coro branco. Estava segurando uma lança e no local que saia lamina tinha a forma de um sol e seus raios estavam divididos. Na sua cintura tinha uma espada com bainha dourada. E com vários símbolos reluzentes.
Negro: Então finalmente podemos conversar?
Luz: Podemos conversar com ele, porém o mesmo conseguira compreender?
Éter: Quem são vocês? E por que esta indagando que não irei compreender?
Negro: Pode me chamar de Anjo Negro ou se preferir a Morte. É claro que sou uma delas, não a soberana.
Luz: Enquanto a mim pode me chamar de Anjo da Luz, ou se quiser  Barakiel. Um dos Anjos do senhor.
Éter: A Morte e Barakiel? Por que vocês estão no meu sonho?
Morte: Sempre estivemos a diferença é que agora você pode sentir e ouvir o que temos para te falar.
Barakiel: Sua mente estava aprisionada num estagio de hibernação por esse motivo você ainda não se lembra de ter nos visto ou conversando conosco. Apesar de termos dialogado muito.
Éter: Então me responda, por que exatamente vocês estão dentro do meu corpo?
Morte: Infelizmente isso não podemos te fala ainda, mais podemos lhe dizer que você terá um grande escolher a tomar.
Barakiel: Terá que escolhe entre mim ou o ele. Mais saiba que não podemos influenciar sua escolha. Nós dois escolhemos lhe ensinar como utilizar a habilidade que vem de nós. Então tome cuidado com a forma que ira utilizar.
Érebo: Então era isso que Alessia queria dizer por eu ser jovem demais, por que não me lembro de ter falado com vocês. E sobre habilidades que cada um carrega?
Morte: Certamente, porém você já utilizou uma vez a minha habilidade.
Barakiel: E a minha também quando curou a moça. Como nós havíamos conversado com você naquele momento. Acabou apresentação, retorne para um sono mais tranquilo.
Éter: Perai eu ainda tenho muito queperguntar...
Acordo uma mão passando pela minha cabeça gentilmente.
Alessia: Vejo que o seu sonho foi meio agitado. Mais não precisa se preocupar, pois ninguém ira te forçar a nada. Então relaxe meu jovem Éter.
Lacirios: Você fala como se entendesse o que realmente esta acontecendo comigo.
Alessia: Por que eu realmente sei o que esta acontecendo. O processo para compreender as próprias habilidades é igual para todos, porém alguns têm mais facilidades e outros tem pequenas dificuldades para aceita-las, no entanto todos passamos por esse lindo processo que nos torna em seres únicos.
Ela faz o sinal para que eu me levante um pouco para que ela possa se sentar na cama. E faz outro sinal para que eu encoste agora minha cabeça nas suas coxas, e começa a passar levemente suas mãos na minha cabeça, e acabo caindo no sono novamente.
???: Alessia...Você tem certeza que quer continua próximo desse ser?
Alessia: Sim, Althaia. Ele precisa de alguém que fique ao lado dele nesse momento difícil, pois ele pode acabar tomando um caminho na qual ira se arrepender.
Althaia: Mais talvez mesmo você ficando ao lado dele, o mesmo pode tomar o caminho errado.
Alessia: Eu sei, no entanto creio que devo continuar, pois pelo que nós duas percebemos ele aparenta não ser daqui.
Althaia: Só espero que sua escolha valha a pena minha amada Alessia.
Alessia: Infelizmente Althaia pode ocorrer que fique muito decepcionada, porém devido dar a ele uma chance.
Dessa vez estou num campo cheio de flores de varias cores e um cheiro doce, porém não enjoativo. Sinto uma leve brisa passar pelo meu corpo e um leve toque que me faz sentir uma energia positiva.
Barakiel: Vejo que gostou desse campo?
Éter: Sim gostei desses campos. Você disse que não iria tentar me influencia a tomar um caminho?
Barakiel: Falei, porém vi que você precisava experimentar um sono mais leve. Mais saiba que esse sonho ira durar pouco tempo, pois ele é uma forma de iniciar o processo de liberação de suas habilidades voltadas para Luz.
Éter: Quando irei poder utilizar essas habilidades?
Barakiel: Infelizmente não tem um momento certo a única coisa que posso lhe dizer é que quando você realmente estiver preparado para aceitar quem você realmente é.
Éter: Então terei que primeiro aceitar as mudanças que estão acontecendo no meu corpo para depois tentar libera-las.
Barakiel: Sim meu jovem Éter, e também meu Érebo.
Ao pronunciar o meu nome ele desaparece, e quando pisco e abro os meus olhos a paisagem das flores é substituída por uma paisagem sombria as flores agora tinha uma cor escura. E o céu tinha perdido o seu brilho.
Morte: Hum... Pelo jeito não gostou da mudança da paisagem não meu caro Érebo?
Érebo: Morte... deveria saber que só sua presença poderia mudar para essa forma triste e sem vida.
Morte: Nem sempre a morte é sem vida meu jovem, ela também possui vida. Só que muitos não acreditam então o único lugar que resta para eles ficarem é nesse mundo que tem aparência acabada.
Érebo: Essa paisagem também é uma forma de se iniciar o meu processo para liberar as habilidades ligadas a sua existência?
 Morte: Sim, como Barakiel eu também preciso te mostrar o outro lado da moeda. Érebo saiba que você não esta sendo obrigado a escolher um caminho, pois tudo que ocorre no mundo existe dois lados, e com isso estamos sempre ligados. Essa batalha não existira vencendo e nem perdedor.
Érebo: Não entendo como você pode dizer isso sendo a morte e um anjo negro ao mesmo tempo.
Morte: Só por que sou Anjo Negro não quer dizer que eu não compreenda o verdadeiro significado da vida pelo ao contrario e a entendo muito bem. A grande questão é que vocês é que embaralham tudo. Nossa segunda missão já esta cumprida. Desperte um pouco e aproveite a paisagem que tem na frente da cabana.
No mesmo instante tudo ficou escuro de vez e quando abri os olhos. A Alessia ainda estava ali passando suas mãos na minha cabeça.
Alessia: Acho que já dormiu o suficiente, esta na hora de você tomar um banho. E depois comer alguma coisa que saco vazio não fica em pé. Não é?

Éter: Lembrei da minha mãe falando quando eu não queria ajuda-la a pegar um peso. Que precisava alimentar direito para que pudesse ajuda-la quando precisasse.
Alessia: Ela tinha toda a razão. Vamos para a cozinha que lá tem uma porta que leva a um banheiro para você possa tomar um banho.
A primeira vez que ela tinha me mostrado não tinha notado que a cozinha tinha uma parede diferenciada que dava um espaço de um metro largura e 2 metros de profundidade, entrei pela porta e dentro tinha banheira feita de madeira bem polida. Foi quando a minha mente começou a se questionar que teria feito aquela cabana, pois a mesma foi bem projetada.
Alessia: Pegue esse balde e traga a água do riacho para que você possa tomar um banho. E ver se demora muito para enche-la.
Enquanto eu pegava enchia a banheira ela começou a preparar a comida, cortando algumas coisas que pareciam ser vegetais, no entanto não tinha certeza já que sua forma era totalmente diferente do que eu tinha visto antes.
Ao terminar de encher, tirei a roupa e entrei na banheira. Por eventualidade esqueci-me de fechar a porta.
Alessia: Pelo jeito você esta gostando do banho?
Éter: (constrangido) O que você esta fazendo aqui dentro?
Alessia: Não precisa ficar todo encolhido(Sorrindo). Vim pegar as suas roupas para lavar, ou você achou que iria vestir as mesmas?
Éter: Não parei para pensar nisso,mais eu não tenho nenhuma outra roupa. O que irei vestir?
Alessia: Não precisa se preocupar, acredito que tem algo ali que ira servir para você. E pode voltar a tomar o seu banho tranquilamente, pois não irei entrar novamente.
Ao sai passei um bom tempo ali pensando em tudo que tinha acontecido ate agora. E para ser franco não acredito ainda que isso realmente esteja acontecendo.
Em um pequeno momento cai num sono leve, uma lembrança perdida no tempo. Meu pai brigando comigo sobre algo que deixei cai, e parecia ser algo importante para ele. Acordo com essa pequena lembrança e me pergunto o que seria tão importante para ele brigar comigo daquele jeito.
Certas lembranças vem para atormenta nossa mente, porém não tenho mais tanto tempo para pensar sobre isso, pois estou metido num problema muito maior que essa lembrança me veio no meu sonho.
Saio da banheira e vejo que ela deixou um par de roupas na entrada da porta. As visto e saio para cozinha, todavia não a vejo, sigo para fora da cabana. E sou surpreendido por um tipo de espectro tendo a aparência humanoide misturado com tipo de rosa com vários espinhos nos braços e seu pescoço coberto por pétalas de frente a porta de saída da cabana e olhando para mim.
???: Finalmente acordou.
Éter: Sim, não quero ser rude mais quem é você?
???: Me chamoAlthaia.
Éter: Prazer Althaia. Onde você estava? Por que não te quando entrei.
Althaia: Estava aqui o tempo todo, a única diferença é que eu não queria aparecer para você ainda. 
Éter: Aparecer? Como assim?
Althaia: Sim, muito simples eu sou o ser que esta ligado a Alessia em outras palavras sou o elemento que protege essa cabana. Você se lembra quando entrou?
Éter: Sim.
Althaia: Simplesmente aquele sintoma que você sentiu provem da minha existência e da minha habilidade que esta ligada ao elemento do planeta. Dessa forma criei uma barreira em volta da cabana para afastar pessoas que consideramos indesejáveis.
Quando Althaia terminar de proferia tais palavras Alessia entra na cabana.
Alessia: Hum... Então você finalmente decidiu se mostrar para ele Althaia?
Althaia: Por um prevê momento, mas não vai se acostumando Alessia. Pois eu ainda não o aceitei por completo esse ser que dentro de si habita a escuridão.
Num piscar de olhos ela desaparece só deixando um perfume doce no ar.
Alessia: Não fique preocupado. Ela só esta um pouco preocupada comigo. Ela sente na obrigação de me proteger agora que só tem eu e ela aqui.
Éter: Morava mais alguém aqui?
Alessia: ... Isso foi a muito tempo atrás, e não gostaria de conversar sobre esse assunto.
Éter: Desculpe não queria te chatear ou coisa parecida.
Alessia: Não precisa se desculpar ate por que fui que toque no assunto sem querer e você por curiosidade perguntou. Mais saiba que certas coisas são melhores não saber meu caro Éter.
Éter: Compreendo ou pelo menos em partes, mais não tocarei no assunto já que assim você não quer. Mudando de assunto o que você estava fazendo lá fora?
Alessia: Estava vendo se não tinha nenhum ponto fraco na barreira para ninguém entre enquanto estivemos dormindo. Pois bem bora comer que você precisa se alimentar.
Éter: Você que manda.
Alessia: É bom saber que você agora esta aceitando um pouco mais a questão de ter que me escutar.
Com aquela pequena intimação nos sentamos na mesa e jantamos. O que me chamou mais atenção é que não tinha nenhuma vela e muito menos uma fonte de energia que liga-se uma lâmpada na casa mais ela estava iluminada apesar de esta escuro no lado de fora.

Alessia: Agora que você já esta alimentado, irei tomar o meu banho. Aconselho a ficar no lado de fora da cabana para ver o como o luar está lindo.
Éter: No lado de fora? Não mais não estará escuro la?
Alessia: Escuro? Não, o luar ira iluminar a riacho e você não precisa ter medo de ficar lá fora no escuro, pois aqui dentro você esta protegido pela Althaia.
Éter: Entendo, ou melhor, não entendo mais irei para o lado de fora.
Alessia: Bom rapaz.
Abro a porta para o lado de fora da cabana e para minha surpresa o riacho estava sendo iluminado por uma luz prateada. Senti como se aquela iluminação tivesse um pequeno calor dos raios do sol. Sentei-me no degrau da entrada cabana e encostei-me ao corrimão dos degraus e continuei a observar aquela paisagem linda.
Althaia: Por que você disse a ele que o protegeria?
Alessia: Por que é isso que você ira fazer Althaia, ele precisa ser orientado caso contrario o mesmo pode acabar causando um grande mal. E eu não quero que isso aconteça, acredite em mim ele não é uma pessoa que gostaria de causar um grande mal.
Althaia: Você pode ate ter razão Alessia, mais alguém que tem um Anjo Negro dentro si não é melhor pessoa do mundo.

Alessia: Althaia ...nem sempre um Anjo da Morte que dizer que alguém pertence as trevas. E gostaria de acreditar que ele só seja um inocente que acabou nesse fogo cruzado que ocorreu a mais de 50 anos atrás.
Althaia: Nós duas sabemos que isso vem acontecendo muito antes disso não é Alessia?
Alessia: Sim, mais creio que ele nem saiba exatamente o que aconteceu com ele e como aconteceu. Ele disse que era humano, e nós duas sabemos o que isso quer dizer. Só não podemos contar para ele.
Althaia: Nós duas sabemos que você não poderá esconder isso para sempre. E quando ele descobrir o que você ira fazer?
Alessia: Não poderei fazer nada Althaia.
Novamente sinto leve sono bater no meu corpo e adormeço. Deixe-me sai daqui o que vocês esta fazendo comigo? Por que estou preso dentro desse cilindro? O que isso? O que é esse liquido negro entrando dentro de mim ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh.
Alessia: O que foi Éter? O que você esta sentido?
Éter: Acredito que só tive um pesadelo. Não foi nada demais, só algo que com certeza que não vale a pena ser lembrado.
Alessia: Entendo ...mais se algum dia quiser falar sobre esse pesadelo não precisa pensar duas vezes para me contar, pois irei te escutar.
Éter: Por que você esta sendo tão gentil comigo Alessia?
Alessia: Sabe qual é o significado do meu nome?
Éter: Não.
Alessia: Foi o que pensei. Ele significar aquela que protege, como diz o meu próprio nome estou aqui para lhe proteger. Como protegeria qualquer um que necessitasse de ajuda.
Éter: Que se dedicaria para proteger um estranho?
Alessia: Talvez pessoas que acreditem que estão para ajudar e proteger pessoas que não compreendem a si mesmos. Vamos entrar você já ficou aqui fora demais.
Entramos e ela afastou um pouco a cama da parede e mandou-me deitar.
Éter: Mais aonde você ira dormir?
Alessia: Irei dormir junto com você, por quê?
Éter: Ao meu lado?(Envergonhado)
Alessia: Sim, não me diga que esta com medo de que vai acontecer algo?
Éter: Não é isso, é que eu nunca dormir ao lado de uma mulher antes na minha vida.
Alessia: (Sorrindo) Então aproveite para sentir o calor de uma dama, e a respeitar o espaço dela. Quem sabe assim quando tive alguém, você já saberá pelo menos respeita-la.
Éter: Acho que isso não vai dar certo ... (negando) com certeza não.
Os dois deita na mesma cama a cabeça de Éter próxima aos seios de Alessia, e ele sentido a respiração e as leves batidas do coração dela. E levemente cai no sono novamente sentido protegido por sua presença que dava a sensação de tranquilidade para a sua alma.
Althaia: Você tem certeza que mantê-lo tão próximo assim?
Alessia: Ele é só um garoto Althaia, e como tal não controla alguns pulsos da juventude. Não precisa se preocupar com ele, pois o mesmo não me fara nenhum mal.
A noite passa e nenhum sonho ou pesadelo atormentou a minha alma naquela noite. Creio que as Identidades não tinham mais nada acrescentar e mais nenhuma lembrança me veio à tona.
Acordo com um som parecido com de um assobio, e lentamente abro os olhos e percebo que Alessia já não esta mais na cama ao meu lado e desconfio que seja ela preparou algo para o café da manha. Viro-me para o lado esquerdo e dou de cara com Althaia soltando um assobio bem baixo, e logo compreendo que foi ela me acordou com aquele som.
Éter: Bela forma de acordar alguém.
Althaia: Não gostou de sacudir ninguém para ser acordado. E além do mais um som leve desse logo de manha cedo faz bem para sua alma. Alessia esta tomando um banho no riacho, então aconselho que você continue aqui dentro caso contrario terei que usa da força bruta.
Começo a criar coragem para me levantar, é quando Alessia entra na cabana.
Alessia: Acordou ou foi acordado?
Éter: Acordei. Estava no tomando um banho no riacho?
Alessia: Porque a pergunta?
Éter: É que seus cabelos estão molhados.
Alessia: Hum... me engana que eu gosto, foi Althaia que te acordou e ainda te proibiu de sai não foi?
Éter: Althaia? Para ser franco eu não a vi essa manha ainda.
Alessia: Se você diz, mais saiba que eu sei que foi ela que te acordou e sim eu estava tomando um banho no riacho. Se sinta a vontade para tomar também. Agora irei preparar algo para você comer, pois depois iremos começar o seu treinamento.
Éter: Treinamento? Como assim?
Alessia: Sim para começar aprender a liberar suas habilidades latentes. Irei tentar te ensinar, já que se você não tiver alguém para te orienta você pode acabar liberando de forma errada.
Éter: Eu não acho que queira libera-las.
Alessia: Compreendo que você esteja com medo Éter, mais saiba que elas irão despertar de uma forma ou de outra. Só estou querendo que você tenha alguém ao seu lado e ainda te ensine como libera-las para que possa controla-las.
Éter: Acho que não tem como impedir isso, então irei aceita a sua ajuda.
Vou tomar um banho no riacho enquanto ela prepara algo para nós dois comemos, já que a mesma não gosta de ninguém na cozinha. Cada um com a sua forma de trabalhar.
Passaram-se quinze minutos desde que estou aqui nessa água, e começo a notar fluxo de energia passando pelo rio. Uns cincos metros atrás de mim sobe uma forma alada. E noto que é Barakiel.
Éter: O que você quer Barakiel?
Barakiel: Esta na hora de iniciar a segunda parte do processo para que você possa usar as habilidades concebidas pela minha existência dentro de ti.
Éter: Como assim?
Com um estalar de dedo meu corpo é coberto por correntes douradas.
Barakiel: Essas correntes são a primeira parte do fluxo de energia ligado a minha existência, elas estão ligadas ao julgamento que nós senhores da Luz podemos fazer, porém só podemos usa-las em caso de extrema necessidade.
As correntes começam a apertar o meu corpo e criar marcas com vários símbolos ligados à língua dos Anjos que não compreendo. E um grande choque de energia atingiu o meu corpo me jogou para fora do riacho e apago.
Érebo: Morte? O que você esta fazendo aqui?
Morte: Bem vindo ao lado que pertence a nós conhecidos como Anjos Negros. Aqui você recebera a primeira habilidade ligada a minha existência. Mais saiba que essa habilidade só ser usada em extrema necessidade, pois a mesma tem a força de mudar realidade de um ambiente.

Érebo: Não entendo o que você quer dizer, pois tudo esta escuro aqui e não vejo nada além de você e eu.
Então surgi vários símbolos com tom a vermelhado em todos os cantos que por sinal não compreendo nenhum o que quer dizer.
Althaia: Então finalmente começou o despertar?
Alessia: É o que parece Althaia. Só espero que ele compreenda o que cada um está dizendo para ele, pois o mesmo não terá uma segunda explicação a menos que seja realmente necessário.
Althaia: Alessia? Afinal quem é esse ser que? E por que ele possui duas Identidades dentro de si?
Alessia: Não sei quem ele Althaia, infelizmente essa informação realmente eu não tenho e não sei o porquê de duas identidades estarem ligadas ao seu corpo.  A única escolha que temos é esperar o resultado dessa grande ocasião.
Althaia: Por que estou com a sensaçãoque isso é começou de um grande reviravolta nesse mundo?
Alessia: Talvez seja que ele esteja ligado aos outros. E se estiver, será algo bem complicado. Pois a existência deles foi escondida a bom tempo.
Quando acordo estou em cima da varanda da cabana em cima das coxas de Alessia e acariciando o meu rosto e Althaia com um olhar bem serio que parecia esta analisando a minha alma.
Alessia: A primeira experiência nem sempre é uma das melhores, mais saiba que ela é principal. Pois é quando sua identidade explica para você sobre habilidade que esta lhe concedendo. Espero que você guarde bem o que ela lhe disse, pois a mesma não ira repetir pela segunda vez.
Éter: Não entendo... Eu pensei que você iria me ensinar a liberar a minhas habilidades e a controla-las, então eles surgiram?
Alessia: Antes de poder te ensinar como controla-las você necessita ter esse dialogo com sua identidade. Por que só quando ela te conceder. Você poderá aprender a controlar.
Éter: Então é por isso, mais para ser franco não gostei da experiência.
Althaia: Nem sempre é uma das melhores experiências, tanto para quem esta recebendo e para quem esta entregando Érebo Éter. Mais saiba uma vez que é lhe concedido você deve tomar conta dos seus atos.
Alessia: Consegue ficar em pé?
Éter: Acredito que sim.
Meio cambaleando consigo me erguer mais com ajuda de Alessia e por incrível que pareça Althaia toma uma forma mais solida e me ajuda a entrar na cabana. Ao entramos a comida esta em cima da mesa e as duas me colocam em cima da cadeira.
Então Alessia começa a dar comida na boquinha por que percebe que ainda estou fraco devido à experiência das Identidades que me concederam uma das suas habilidades. Ao terminar me leva para o quarto.
Alessia: Se deite um pouco novamente, pois você ainda está fraco devido à visita da sua identidade.
Um sono profundo ataca o meu corpo e sinto esquecido na imensidão da minha mente, pois nada existe ali e ao mesmo tudo parece existir.
Sinto um leve toque e quente no meio peito, e aos poucos começo a despertar. Por um pequeno impulso junto a minha mão no local e noto que é uma mão que eu estou sentido tocar o meu peito. E escuto um pequeno sussurro no meio ouvido.
Sussurro: Esta na hora de acordar meu belo. A comida está posta na mesa e vai acabar esfriando.
Éter: Quem é?
Sussurro: Com quem mais você dividiu essa cama?
Dou um pulo da cama.
Éter: Alessia. (crash)
Alessia: Ficou nervoso?
Éter: Não... só fiquei surpreso ... não pensei que você me acordaria assim um dia ... aiai.
Alessia: Hum...entendo. Mais não precisava se desesperar ao ponto de cai da cama e se machucar não é?
Éter: Mais a surpresa foi maior que a racionalidade.
Alessia: Vamos deixar de conversa fiada e comer. O tem algo ainda dizer?(tom serio)
Éter: Não tenho nada declarar.
Alessia: (leve sorriso) Que bom.
Na mesa começamos a comer, porém cada vez que comia algo sentia como se meu corpo estivesse recebendo um fluxo de energia. Era algo desconfortável de sentir.
Alessia: Estou vendo que esta começando a sentir certos efeitos por ter recebido a primeira habilidade da sua identidade. Não precisa se preocupar com o tempo esse desconforto ira passar.
Éter: Como você sabe o que estou sentido?
Alessia: Por que já passei por esse processo Éter. E me lembro de como foi complicado deixar fluir. Mais não precisa se preocupar, pois estou aqui com você e irei te ensinar como passar por todo esse teste.
Éter: Obrigado Alessia, você realmente é uma ótima pessoa.
Alessia: Às vezes você fala termos que não compreendo. Mais acho que você quis me elogiar então só tenho agradecer.
Terminamos de comer, porém ao sai notei que o dia já estava escurecendo e foi quando percebi que ela estava preocupada por eu ter demorado ao acordar e com certeza passou boa parte do tempo ao meu lado. No lado de fora da cabana observando o resto do sol se pondo além do horizonte, uma voz suave fala:
Althaia: O Anjo da Luz tem uma bela aparência e Negro também, apesar da sua existência não ser muito atraente para vocês mortais.
Éter: Será por que temos um grande medo de morrer? E com esse motivo acabamos temendo a existência da mesma?
Althaia: Vocês temem perder algo que não pode se perder, e vivem procurando imortalizar um corpo que não merece ser imortalizado. Talvez por esse motivo vocês temam tanto o Anjo Negro.
Éter: Compreendo que no final seja esse motivo, medo de morrer e não saber para onde nossa irá parar.
Althaia: Talvez um dia eu os compreenda, agora o deixarei contemplando a paisagem, pois amanha você terá um dia pesado já que terás que aprender a controlar e invocar os seus equipamentos concebidos por suas identidades.
O sol finalmente esta descansando além de um horizonte que não posso ver apesar disso sua beleza ao deixar esse dia foi maravilhoso, pois os seus raios estavam num cor que encanta as almas mais perdidas. Já se passaram três dias desde que vi parar nesse mundo, e esse é o que mais sinto que estou vivo. Mais estou vendo que virão dias difíceis pela frente só espero ser capaz de supera-los.
Tomo um banho retorno para cama, Alessia se deita ao meu lado encostando o seu corpo ao meu. Sinto o seu batimento de uma forma regular. Porém o meu estava completamente acelerado, uma bela dama deitada ao meu lado e eu aqui não passando de um pequeno adolescente com dois seres ligado ao mundo celestial.
Um novo amanhecer surgiu diante de nossas vidas e quando acordo não vejo Alessia ao meu lado. Levanto e olho por todos os cômodos da cabana, porém ela não se encontra dentro dela. Então decido olhar no lado de fora onde fica o riacho e para minha surpresa lá estava ela. Sentada numa posição diferente do comum com uma aparência que estava altamente concentrada.
Tento me aproximar dela e descendo as escadas vagarosamente, porém quando estou a cinco metros dela um fluxo de energia arrodear e me repeli.
Althaia: Éter não se aproxime, pois ela esta no ritual para controlar os poderes que lhe concebi e saiba que os mesmos estão ligados ao planeta. Então um passo em falso e metade desse lugar estará acabado.
Éter: Como assim Althaia?
Althaia: Essa pequena área que você esta vendo com todos esses elementos só se mantem dessa forma devido ao processo que ela vem fazendo há anos aqui. Mais um pequeno deslize e tudo será engolido pelo vácuo.
Éter: Então toda essa linda paisagem e aquele muro foi ela que fez isso a parti do elemento que você concebeu?
No mesmo instante outro fluxo de energia passa pelo campo a frente e vejo tudo envelhecer e voltar ao seu estado normal. Seu corpo completamente arrodeado por uma roupa a base de plantas e quando tudo se acalmo a sua roupa voltou ao normal. Efoi quando percebi que quando você esta sobre a influencia do seu poder suas roupas tomam a forma da sua identidade.
Alessia: Éter acordou mais cedo hoje? Por acaso se machucou ao tentar chegar perto de mim?
Éter: Não me machuquei, porém fiquei surpreso.
Alessia: Fico feliz por você não ter se machucado, e apróxima vez não tente se chegar perto quando eu estiver naquele estado.
Éter: Aquela áurea que estava a sua volta é efeito colateral de liberar a sua habilidade?
Alessia: Sim, é um efeito que ocorre quando você ativa a sua habilidade, mais muda de ser para ser Éter, pois ninguém é igual e cada carrega as suas cicatrizes que provocam atração e escolha da sua identidade.
Éter: Se esse é caso, por que recebi dois? E totalmente distintos?
Alessia: Se eles te escolheram é por que você apresentou algo que chamaram atenção deles. Eu sei que um dia você ira descobrir o porquê de ser escolhido.
Éter: Então iremos começar o meu treinamento?
Alessia: Logo após de você se alimentar, pois você precisa está bem alimento já que esse tipo liberação consume muito nosso estado físico e psicológico.
Depois de retornamos e nos alimentamos, iniciamos o processo de liberar as habilidades que me foi concebido no dia anterior. Porém a verdade sobre cada uma delas ainda iria descobrir, pois cada uma tinha um significado totalmente diferente.
Alessia: Éter para você poder liberar o equipamento que ele te concedeu sua alma terá que se junta à dele.
Éter: Como assim Alessia?
Alessia: Sua alma e diferente da existência dele, apesar dele ter lhe escolhido e criado um elo contigo. É a parti desse elo que você tem que absorver o elemento dele e fazer fluir o equipamento dele.
Éter: Em outras palavras? Como faço isso?
Alessia: Se sente, e depois se concentre na sua respiração. E tente sentir o fluxo de energia que esta dentro de você.
Éter: Se é tão fácil assim, por que você disse que seria difícil?
Alessia: Tente fazer e logo entendera.
Sento como ela diz e tento me conectar a primeira habilidade que me foi dada pelo Barakiel. Concentro-me e começo a sentir a energia que flui dele, e tento aos poucos me conectar com ele.
Barakiel: Você esta pensando demais Éter, não ira conseguir manter a forma dela com todos esses pensamentos na sua mente.
Ao terminar de falar isso eu sou completamente repelido e sinto a minha alma voltando ao meu corpo com efeito colateral. Sinto a minha respiração pesada e meus pulmões estão sem ar.
Estou completamente no deitado no chão e sem conseguir respirar.
Alessia: Pensa demais não é o caminho certo para se conectar com nenhuma identidade. Você precisa deixar a sua mente livre para sentir a energia fluir no seu corpo e a mesma tomar forma dentro dele. Não tente controlar e sim sentir.
Éter: Eu senti a energia que fluía dele e ele apareceu para mim dizendo que estava pensando demais. Quase as mesmas palavras que você citou agora. Como isso é possível?
Alessia: Cada identidade tem um tipo de energia Éter mais todas tem o mesmo caminho para se controlar sua essência, por isso não difícil ensinar o único problema é usuário compreender e tentar manter a mente livre de tudo. Geralmente isso não ocorre e por isso você é repelido por não conseguir manter as duas energias unidas.
Éter: Não desistirei e tentarei novamente compreendi a mensagem só espero conseguir me manter unido há ele tempo o suficiente para ela surgir.
Depois de meia hora me recuperando do efeito que sofri devido ao processo que falhei. Estava pronto para outra tentativa e dessa vez tinha certeza que conseguira pelo menos manter um tempo àquela enorme energia que senti quando tentei me conectar ao Barakiel.
Conecto-me novamente a Barakiel mais dessa vez estou novamente naquele local branco e o mesmo está um pouco distante do local que surgir.
Éter: Que lugar esse Barakiel? E por que você esta tão distante de mim?
Barakiel: Você esta no centro de toda energia positiva que existe no mundo Éter. Já o motivo de esta distante de você é que ainda não está completamente preparado para aceita esse fluxo. Sua existência ainda esta ligada a outros pensamentos mesmo que você não perceba.
Éter: Então me explique como deixar esses pensamentos de lá para que possa finalmente aceitar aquilo que você me concedeu.
Barakiel: Infelizmente Éter não é algo que se ensina e sim algo que se aprende por si só. Mais acredito que você ira conseguir só basta ter paciência.
Éter: Não compreendo Barakiel se estou aqui então é por que conseguir fazer uma ligação contigo e esta fluindo a energia normalmente, então por que motivo você continua falando que meus pensamentos irão me impedir de controlar essa energia?
Barakiel: Por esse motivo Éter.
Tais palavras foram como um turbilhão e todos os meus pensamentos que acreditei estará em silencio vieram à tona. Memorias da minha vida antes de aparecer aqui, meus medos e pesadelos surgira, porém foi tão rápido que quando acordei novamente deitado naquele mato perto do riacho já não lembrava mais nada.
Alessia: O que aconteceu dessa vez Éter?
Éter: Novamente ele disse que estava pensando demais e depois me mostrou o que estava passando na minha mente. O que foi mais estranho são as memorias que ele me mostrou e agora eu não me lembro de nenhuma novamente. Por que eu não consigo lembra Alessia?
Alessia: Talvez por que você tenha sofrido um grande trauma Éter e sua mente esteja querendo te proteger por achar que você não esteja ainda preparado para lidar com certas memorias. Mais não precisa se preocupar um dia você ira conseguir se lembrar. Então não se apegue a esse problema agora, ok?
Éter: Tentarei. Porém não tenho certeza se conseguirei.
Alessia: Acho que já esta na hora de um intervalo, pois tentar se conectar com um identidade requer muito da capacidade do usuário e ainda mais quando esta no inicio, pois ele não esta preparado para sentir todo fluxo de energia que ela possui.
Éter: Aceitarei esse intervalo para tomar um banho nesse lindo riacho que esta bem a nossa frente. Mais tenho uma pergunta.
Alessia: Pergunte.
Éter: Esse riacho já existia quando você veio para cá?
Alessia: Sim já existia mais eu melhorei o fluxo dele com a habilidade de Althaia.  Por quê?
Éter: Desconfiei que você tivesse feito alguma coisa com ele, por esse motivo perguntei. Já que sua energia é ligada ao planeta, então tentei deduzir que você o tinha melhorado de alguma forma.
Alessia: De certa forma eu melhorei ele, mais só foi o fluxo da agua para que ela parecesse mais cristalina e viva, por esse motivo é bom tomar banho nele. Devido a essa energia que coloquei nele.
Éter: Vejo que a sua habilidade transformar os elementos em belas formas e os iluminam.
Alessia: Éter... Cada habilidade concedida tem o seu próprio brilho independente de qual seja.
Éter: Infelizmente não acredito muito nisso, pois sem tem habilidades em que transformam algo em belo também deve ter aquelas que tornam tudo feio e deprimente.
Alessia: Tudo no mundo existe dois lados. E com as habilidades não seriam diferente mais cabe a você escolher como usa-la, pois suas escolhas irão torna-la em algo bonito ou feio.
Éter: Pergunto-me qual é o verdadeiro efeito da habilidade que eles me concederam.
Alessia: Só ira saber quando realmente conseguir se ligar a eles e liberar a arma que cada um possui. Mais por enquanto vamos concentrar em se unir com eles e depois saber os efeitos da habilidade. Estamos entendidos?
Éter: Estamos. Agora irei tomar um banho nesse riacho.
Alessia: Vai lá, enquanto eu vou preparar algo para nós dois comemos.
Mergulhei naquela bela essência que fluía do riacho e comecei a sentir o fluxo dele enquanto passava pelo meu corpo era algo belo que me fazia sentir bem. E percebi como se estivesse ligado ao algo do bem e por um pequeno momento sentir a verdadeira essência de Barakiel surgir dentro de mim.
Uma grande lança surgiu pela segunda vez diante de mim e ao olhar minha direta possuía um a luva branca na mesma possuía uma abertura na parte superior em forma de circulo.
Barakiel: Essa lança tem um grande poder dentro de si. Creio que se lembra do Minotauro? Com um toque ela foi capaz de mata-lo.
Éter: Sim Barakiel, e por incrível que pareça estou sentido um grande poder fluindo dela, o que realmente ela é? Qual sua verdadeira ligação?
Barakiel: Toda arma ligada a divindade esta ligada ao mundo espiritual e como tal esta ligada a essência de todos os seres vivos bons. Toda ação boa deixa fluir um bem está e cada bem esta deixa fluir sentimento de felicidade que a carrega todo instante, porém se  existe ações boas também existe ações que geram maldade e a mesma drena a energia dele, por esse motivo essa lança nem sempre esta carregada com todo o seu potencial.
Éter: No final ela depende de cada ser para mostrar sua verdadeira força. Mesmo com essa questão em mãos ela consegue deixar fluir um grande poder.
Barakiel: Na qual você ainda não esta preparado para segurar. Mais um dia conseguira, pois acredito na sua capacidade Éter.
Éter: Acredito também, pois Alessia será uma grande mestra para mim.
Enquanto dentro da cabana.
Alessia: Pelo jeito você não esta gostando muito do que está para acontecer não é Althaia?
Althaia: Não, pois você está correndo um grande perigo Alessia.
Alessia: Não acredito que ele vá me fazer mal.
Althaia: Pode ser que ele não, mais os outros elementos que estão arredor dele sim.
Alessia: Não irei abandona-lo nesse momento de descoberta Althaia. Eu tive alguém ao meu lado quando estava me descobrindo e ele mais do que necessita de alguém.
Logo depois disso ela percebe um grande fluxo de energia emergindo no lado de fora da cabana. E a conversa entre as duas para ali, pois vão ver o que esta liberando tal energia.
Ao abrir a porta Alessia ver a lança que surgiu da existência de uma das identidades que estão dentro de Éter. E finalmente percebe a verdadeira preocupação que afligi Althaia.
Uma grande explosão de energia fluiu da lança e por onde passou fez surgir flores vários tipos e formas com as tonalidades mais incríveis que ela nunca tinha visto em toda a sua vida.
Por um prevê momento sentiu uma paz interior que jamais tinha sentido antes em toda sua vida e nesse prevê momento sentiu um leve toque da existência de um ser superior que passou rapidamente.