Páginas

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Meu doce lar

Ao abri meus olhos pela primeira vez enxergo, um lindo lago. Seu tamanho alem do que posso ver, entro nele para saborear o toque da agua sobre meu corpo fragil e quente. Sinto água gelada passa pelo meu corpo enquanto mergulho para debaixo da superficie do lago, o toque me faz arrepiar. Mas com tempo acabo crescendo e enxergando que o lago não é infinito, que ele chega ao fim no outro extremo na faixa de terra fresca e molhada por ele. E percebo que ele é pequeno demais para mim, e quero algo maior para nadar, preciso deixar primeira coisa que vi quando abri meus olhos lago da onde nasci. Posso viajar pelos horizontes e pelos lagos do mundo, mais nunca seram iguais ao quer vi quando abri meus olhos. Um lago perfeito e cheio de harmonia, que esta sendo esquecido por todos, menos por mim por que carregarei por toda a minha aquela bela imagem. Um quadro perfeito que poderia ter sido pintado pelos maiores pintores. E mesmo assim nao passaria de uma paisagem como outro qualquer para os outros, mais para mim seria a minha paisagem perfeita, por ser minha terra natal, aonde jamais deixarei de voltar, concerteza quando retorna jamais partirei novamente. Por que o lago é perfeito, como tudo que esta redor dele, agrandeça nao traz paz só traz preocupação. Prefiro viver no pequeno, do que viver no grande jamais ter paz.
Meu lago, meu lar e minha vida jamais deveria ter partido, mas nao se tivesse feito jamais descobriria o quanto vc é importante para mim.
Minha primeira impressão é a primeira que vi do meu lar e da minha vida, uma calma eterna no lago que nasci.
Pertenço a ele e ele pertecem a mim, dentro do meu coração jamais parti da minha cidade natal, do meu lago que foi e sempre sera minha vida toda.
Meu lago é meu lar, meu lar é o lago aonde nasci, e onde morrerei.
Nasci e vivi, morri e renasci no meu lago. Jamais deixarei vc novamente.
By Adonis

Nenhum comentário: